sexta-feira, março 31, 2006

À especial atenção do sr António Videira
Recordar o Bar Cameia
Texto e fotos do álbum de Abílio Henriques

Nativo da Cameia, povoado tradicional (cinco mil residentes) a 22 Km do Lumege, junto de um lago do mesmo nome, de onde provinha o nome do Bar Cameia

Recuando no tempo, a nossa memória vai buscar aqueles bons momentos passados no Bar Cameia, local do "descanso do guerreiro" após os dias da mata.
O senhor Videira, proprietário do bar, era um homem extraordinário que nos tratou sempre com elevação, do mesmo modo que sua esposa e seus filhos.
Recordo aquelas grandes partidas de póker que normalmente acabavam quando nos nossos estômagos já não cabia mais Cuca ou Nocal, sim, é verdade.
Apenas um dos veteranos não alimentava tais excessos (claro, o Hipólito).

Algumas vezes depois de uns dias no mato, que belo bife e que belo bacalhau se comia no senhor Videira!

Há mais recordações, mas fica para outra oportunidade.

Senhor Videira-filho, vá dando notícias e, no dia 2 de Setembro, apareça no nosso almoço! Será uma honra para mim e para todos os meus camaradas!

Um abraço

Abílio Henriques

De calções, o Abílio Henriques (autor da nota memoratória acima) conversando com o coordenador deste blog em plena parada do aquartelamento do Lumege.

As cadeiras, que foram deslocadas desde o alpendre da messe de sargentos apenas durante o tempo da fotografia, eram feitas artesanalmente (na carpintaria do quartel, com "supervisão técnica" do cabo Gameiro, que é carpinteiro e às vezes o coordenador do blog encontra ali para os lados da Caranguejeira - Leiria). Para as construír, usavam-se as aduelas dos pipos que iam daqui de Portugal (tara perdida) com vinho para consumo dos militares. A do coordenador do blog, foi ele quem a fez.

Se algum leitor tiver fotos do Bar Cameia, por favor forneça-nos.

7 comentários:

Carmen Zita disse...

Ao Abílio Henriques e ao Zé Oliveira:
Como estão diferentes!
Muito gostei de vos ver no Sábado (no caso do Sr. Henriques de o conhecer). Sobre o lançamento a que assistiram, se quiserem visitem o blog - somdatinta.blogs.sapo.pt

Espero que tenham gostado dos poemas sobre mar e outras águas e também do convívio que se seguiu ao lançamento.
Um grande abraço de agradecimento da minha parte:
Carmen Zita Ferreira.

Carmen Zita disse...

Ao Abílio Henriques e ao Zé Oliveira:
Mas que bonitos estão nesta foto! Devo dizer que em presença não ficam nada atrás, mas a preto e branco estão mesmo muito bem.
Queria agradecer a vossa presença em Ourém, no dia 01 de Abril. Foi muito importante para nós.
Ao Zé um (sempre) "até breve", ao Hanriques, vá aparecendo, nem que seja só virtualmente, no blog somdatinta (por isso mesmo um "até breve" para si também).
Um grande abraço para os dois!
Carmen Zita.

Zé Oliveira disse...

...pois é, Carmen Zita!!!
Naquela altura, as nossas fotos eram... a preto e branco!
(As palavras, frequentemente, brincam connosco!...)

Abraço

Carmen Zita disse...

Queria referir-me ao facto de vos ter tido cá em Ourém "ao vivo e a cores" (por comparação)!
Beijoca.
Carmen Zita.

Carmen Zita disse...

A minha intenção era a de salientar o facto de vos ter visto "ao vivo e a cores", em Ourém(e de vos ter achado também muito bem, em paralelo ao preto e branco da foto):)
Um grande abraço!

A. Videira disse...

Meu amigo, eu sou o filho do Sr. Antonio Borges Videira, proprietário do Cameia Bar.
Fico orgulhoso e honrado com os comentários aqui feitos a propósito do meu pai e da sua estrutura moral. Espero ter o prazer de vos ver um dia deste e de pessoalmente agradecer as fotos que me enviarem e certamente ainda enviarão. Vou enviar uma foto que tenho do Cameia Bar que poderão publicar.
Um abraço.
Antonio Videira

Balança disse...

Parabéns pela ideia do Blogg, deste Ponto de Encontro!
Eu, António Videira e a minha esposa Adelaide Videira (os proprietários do Cameia Bar) estamos muito honrados com os vossos comentários.
Aproveitamos ainda a ocasião, para mandar um beijinho muito especial ao nosso afilhado “Nelito” Tavares, filho do Sr. Hostilio Tavares e a todos que connosco viveram num clima de fraternidade, e foi essa forma de viver em comunidade que mais saudades nos deixou…
Emocionamo-nos ao recordar as pessoas e os lugares, trazendo-nos à memória os tempos vividos…
A todos votos de muita saúde.