sexta-feira, agosto 15, 2008

.

Finalmente!

Lisboa, Agosto de 1971


Entre esta multidão, estão os nossos familiares que nos esperavam em Agosto de 1971 na Doca do Conde de Óbidos.

É uma imagem colhida do alto do Vera Cruz, momentos antes de termos começado a desembarcar.

A foto foi recolhida no blog http://bcac2877.blogspot.com, depois de amavelmente nos ter sido chamada a atenção para ela (e texto acompanhante) pelo camarada Brás Gonçalves do B.Caç.2877, que embarcara connosco em Luanda no Vera Cruz, a 11 de Agosto de 1971. Também na ida tinham sido nossos companheiros de viagem.


_______________________________________

O Vera Cruz

Texto: José da Silva Marques

(www.vianasocialecultural.com)

Até 1974, o mar era a grande via de ligação ao império. Mais de 90% da carga e de 80% do pessoal metropolitano empenhado na guerra, tinha sido transportado em navios. Os paquetes mais requisitados na ligação a África foram o Vera Cruz, o Niassa, o Lima, o Império e o Uíje. O Niassa foi o primeiro paquete fretado como transporte de tropas e de material de guerra, por Portaria de 4 de Março de 1961, mas seria o Vera Cruz a fazer mais viagens, chegando a realizar treze num ano. Em 1961, efectuaram-se dezanove travessias em nove paquetes em missão militar e o ritmo aumentou à medida que crescia a força expedicionária em África.
.


A sua imponência e beleza como navio de linhas elegantes eram motivo de registo

O Vera Cruz, antigo paquete de luxo, fez a sua primeira viagem inaugural ao Rio de Janeiro em 1952. Com lotação esgotada, entre os muitos convidados encontrava-se o Almirante Gago Coutinho. Em 1954, juntamente com seu irmão gémeo, o paquete Santa Maria, iniciou a sua carreira com ligações aos portos da América Central. Em qualquer um que atracava era motivo de interesse.
A sua imponência e beleza como navio de linhas elegantes eram motivo de registo. Mantendo as viagens regulares ao continente americano, o Vera Cruz em 1956, realizou um périplo por África de oito de Agosto a 29 de Setembro. Só em 1959 é que realizou a sua primeira viagem a Angola. Com o início da guerra colonial nessa colónia, o governo de Salazar para fazer frente aos acontecimentos, requisitou diversos navios para o transporte de tropas e material de guerra, passando a ser uma das principais ocupações dos navios portugueses. O Vera Cruz não foi excepção. Adaptado para o transporte de tropas, com a instalação de alojamentos nas cobertas, a 5 de Maio de 1961, largou de Lisboa rumo a Luanda tendo no mastro principal hasteada a flâmula verde e encarnada, habitual nos navios de guerra. Em 1962, o Vera Cruz é requisitado para se deslocar ao Paquistão com o fim de recolher os militares feitos prisioneiros, devido à invasão da Índia Portuguesa pelos indianos.

Largou de Lisboa rumo a Luanda, tendo no mastro principal hasteada a flâmula verde e encarnada

Estava ali imponente atracado no Rio Tejo para mais uma missão que a guerra lhe destinava, embarcar tropas para o ultramar. Seria das últimas viagens que faria, pois em 1972 seria vendido para abate desaparecendo um dos símbolos da Guerra Colonial.

4 comentários:

Sandra disse...

Na casa dos meus pais, existe um postal igual a este que o meu pai trouxe quando veio de Angola...

Cumprimentos
Sandra C.

Zé Kahango disse...

Foi nele que atravessei o Atlântico...

José disse...

tambem embarquei neste paquete para angola a 4 de agosto de 69 e regressei em setembro. Tambem possuo um postal do referido paquete Vera Cruz.

Anónimo disse...

Ola zezito! Olha eu apenas paxei por aki apenas para te dizer ke podes enviar para o meu mail todas as cenas ke kiseres e ke me podes e deves adicionar no messenger. Mts beijinhos e ja sabes,o meu mail e gatinha_fofa223@hotmail.com