terça-feira, maio 20, 2008

Fotos cedidas pelo capitão Tangarrinhas
Um Lumege tranquilo
,
À porta do edifício principal do aquartelamento da C.Caç.2544, o comandante da Companhia, capitão Tangarrinhas, tem ao colo um dos seus filhos e está acompanhado da esposa, que aproveitou o tempo da nossa estada ali para dar aulas na escola do Lumege.
O emblema da nossa companhia e as armas foram esculpidos em cimento salvo erro pelo alferes Almeida, 2º Comandante da Companhia.

Enquanto a C.Caç.2544 esteve no Lumege, a professora da escola local era a esposa do capitão Tangarrinhas.

Um dos alunos era o Jaime, garoto que fora capturado no mato, aos familiares que pertenciam a um dos movimentos nossos adversários. Seria interessante que alguém nos relatasse as circunstâncias em que o Jaime veio parar à mãos da C.Caç.2544.

O Jaime recusava-se a falar da sua família, da sua vida no mato, de tudo o que pudesse comprometer os seus. Disso lembro-me eu. Mas não me lembrava (ou não presenciei) um episódio interessante que salvo erro o Abílio Henriques recordou há tempos:

o garoto fechava-se em copas acerca de tudo, mas certo dia em que o rádio relata um desafio de futebol em Portugal e o locutor dizia que o Benfica tinha marcado, ou defendido, ou coisa assim, o Jaime soltou um enfático grito de entusiasmo: "Benfica!"

O Jaime é o garoto de camisola esverdeada, ao centro Eu não tinha a certeza absoluta, mas o Diamantino Rocha confirmou.

E os restantes garotos? Quem são eles? Temos tido tão gratas surpresas com este blog, que nada nos admirava que alguém se revisse aqui, passados 39 anos!
Para facilitar, pode ampliar a imagem clicando sobre ela.


Estação de Caminho de Ferro do Lumege.
Estamos em 1969 e o alferes Marques de Freitas (ao centro) espera pela chegada do "camacouve" que o levará de férias até Portugal.
O capitão Tangarrinhas, de mangas arregaçadas, troca com ele as últimas impressões. Ambos cabisbaixos, sabe-se lá porquê...
Em regra, a passagem do comboio era um acontecimento que fazia deslocar à estação boa parte da maior massa humana da localidade: os militares da C.Caç.2544.
A localidade não tinha mais do que uma vintena de casas de brancos.

1 comentário:

Diamantino disse...

Efectivamente assim é. o JAIME, é mesmo o da camisa esverdeada.O oitavo, em pé.