segunda-feira, setembro 04, 2006

No passado sábado
C.Caç.2544 reencontrou-se em Leiria
...e cantou o "parabéns a você" ao Comandante do Batalhão
...o Diamantino Rocha, da organização, acaba de chegar (depois de ter falhado pelo menos duas saídas da A1...) cumprimenta o José Oliveira junto ao mais conhecido hipermercado de Leiria, no momento em que o segundo tenta mais uma vez vencer a teimosia dos telemóveis que estão apostados em boicotar a comunicação do Figueira, que pretende avisar que chega um pouco mais tarde.
...o Alho foi ali e já vem, mas a esposa ficou a guardar-lhe a cadeira, psicologicamenet apoiada pela esposa do Oliveira, que aparece na foto com camisa de presidiário ao lado do Hipólito que ficou de costas pela simples razão de que não se apercebeu que o fotógrafo estava a disparar (se se tivesse apercebido de que ele se preparava para disparar, ter-se-ia emboscado imediatamente e, do abrigo, tê-lo-ia abatido sem dó nem piedade; e aproveitava para, com a mesma rajada, abater o operador de câmara e o vendedor de medalhas).
O Faria está a dizer que organizar o próximo encontro em Vila Real vai ser canja (porque canja é um prato barato, disso sabe ele, que foi o vague-mestre da Companhia), ao mesmo tempo que a esposa diz "pois pois, vague-mestre vague-mestre, mas na cozinha lá de casa quem trabalha sou eu!..." O Miranda ficou na zona mais escura da foto, mas a mania já é velha. Foi por causa dessa mania que ele decidiu nascer em Cabo Verde e decidiu trabalhar na "ferrugem" da Campanhia.
No momento da foto, o Rodrigues estava a contar que foi o último a incorporar a C.Caç.2544, ao mesmo tempo que o Miranda, a seu lado, lhe ripostava: "Não admira, os alentejanos chegam sempre tarde a todo o lado!" Ao que o Figueira, mesmo estando fora desta foto, respondeu: "Não é bem assim! Hoje, o último a chegar fui eu! Que venho de Condeixa!"
.

Como o coordenador do blog não tem mais fotos do acontecimento, mete também esta. De copo na mão, porque a esposa é que estava "de serviço" à condução da viatura, conforme ela própria explica para o lado e o Hipólito comprova "dizendo" pois claro com a mão. O Faria aproveita o momento da flashada para passar uns segundos pelas brasas, ao mesmo tempo que a esposa diz assim para o Rodrigues: "Madrugou, sabe?"

"Parabés a você" via telefone

Momento enternecedor foi aquele em que toda a Companhia cantou os "parabés a você" (via telefone) ao Comandante do Batalhão, o então tenente-coronel Carvalho Fernandes, que nesse dia completava 84 anos de idade. A informação chegara pelo ex-capitão Tangarrinhas, comandante da nossa Companhia, que também foi o autor da emotiva iniciativa.

2 comentários:

MAH-TRETAS disse...

NOS BASTIDORES.

Nestes encontros quando vem a amena cavaqueira sobre o passado já distante por vezes por agumas deixas dos intervenientes da prosa vem á memória coisas adormecidas mas não esquecidas,o dia 30 fez-me recordar o facto que hoje vou classificar de (FINAL FELIZ)que na altura não pensei assim, e passo a relatar.
Todos os operacionais se devem lembrar que os Srs da GUERRA sim por que os havia ,queria armas e o preço não interessava,sim porque nos relatórios tinha que ter resultados e não bastava só fazer KM, e isto para dizer que na corrida as armas (eu o je) voluntáriamente a pedido do então Alferes Freitas que por acaso era um grande compincha, lá fomos com um prisioneiro a caça das armas, depois de vários km percorridos e é ali nâo é ali ,é mais á frente sim sim é ali na
zona mais baixa e foi até chegar a zona inundadda do rio Lumege onde estava uma piroga submersa e que o meu amigo guerreiro nacionalista sim, (hoje recuso-me chamar-lhes terroristas), retirou da água pondo-a na posição de navegação lá nos metemos dentro e lá fomos remando até entrar no rio, sim porque as armas estavam lá no outro lado, porém depois de algumas dezenas de de metros quiça centenas o meu amigo não foi de modas mergulha no rio virando a piroga é com ela lá vai também o tal (je )depos de uns momentos de dificuldade sim porque vestido com G3 cartuxeiras e com uns bichinos de boca grande no rio não dá muito jeito nadar, lá consegui chegar á margem e dei uns tiros mas o tempo que passou entre o nosso amigo sair da água e o tempo que demorei a sair pois ele estava descaço e sem camisa e não tinha mais adornos a incomoda-lo, tenho a certeza que o nosso amigo provavelmente ainda hoje continua vivinho da silva, E ENTÃO É POR ISSO O MOTIVO DO TITULO FICAMOS TODOS VIVINHOS.

BILL SEM KID

henriquqes disse...

Será que o rapaz ficou prezo ao tel mov. e não tem podido meter umas coisitas no blog?


abraços